Instalações Sonoras

Opus V, para teclado de vozes 

(Materiais: teclado, fones de ouvido, Raspberry Pi, caderno, lápis de cor, caneta / Ano: 2018-2019).

“Opus V, para teclado de vozes” se trata de sons pré-gravados da voz de Marina Mapurunga, em que o interator pode manipulá-la a partir de um teclado e criar/improvisar uma (¿)música(?) e/ou um (¿)poema(?) por meio das sílabas (localizadas nas teclas pretas), dos sons guturais, sibilantes, vibrantes e nasais (localizados nas teclas brancas). O caderno ao lado do teclado é um diário coletivo, onde os interatores podem registrar por escrito suas criações seja por meio de notação gráfica inventada no momento da interação com o teclado ou por meio de uma notação tradicional. O “V” aqui se refere ao material sonoro do teclado, a voz.

Instalação exposta na primeira e segunda edição do exposição de arte sonora Sons de Silício. Primeira edição ocorrida de 1 a 26 de abril de 2019, no Espaço das Artes da USP, link. Segunda edição ocorrida de 13 de setembro de 2019 a 13 de dezembro de 2013, no Centro Universitário Maria Antônia – USP, link.


Opus X, para teclado de objetos sonantes

(Materiais: teclado, um par de caixas de som, computador portátil, caderno, lápis de cor, canetas / Ano: 2011-2012)

O objetivo desta instalação é fazer com que o interator crie uma composição sonora/musical a partir dos sons de objetos, porém os sons desses objetos são articulados por meio do teclado. Na primeira versão dessa instalação, o interator compunha sua obra-incógnita (X)  em uma pequena sala escura dentro da galeria do Centro Cultural Banco do Nordeste, na cidade de Fortaleza- Ceará. Na segunda versão, o interator tocava, criava e improvisava sua composição com um público que também aguardava seu momento de “músico-criador” de objetos. A segunda versão foi realizada na Vila das Artes, em Fortaleza- Ceará. Em ambas versões, o interator podia registrar em um caderno de pautas suas criações.

Instalação exposta em 2011 no Centro Cultural Banco do Nordeste, como parte da exposição Conexões Estéticas, link. E exposta em 2012, na Vila das Artes, registro no vídeo acima.


SENSVS

(vídeo instalação / Ano: 2010)

Sensvs (do latim: sensações) é um experimento sobre como o som pode influenciar e interferir nos atos, nas emoções e nas sensações de alguém. Não só o som, mas o ato de estar em um palco de teatro, sendo observado pela equipe, pela câmera e pelo microfone.

Participantes/performers do experimento: Alexandre Veras, Alfredo Barros, Ana Carolina Bezerra, Jade Bezerr,  Marina Ferreira Coutinho, Nonato Ferreira, Sandro de Araújo, Tiago Fortes.

Equipe:

Direção: Marina Mapurunga; Produção: Amanda Pontes, Sarah Holanda; Fotografia: Andressa Back (cam 3), Daniel Bezerra (cam 1), Dryca Lima (cam 2); Arte e Iluminação: Raisa Christina; Som Direto: Artur Dória e Washington Hemmes; Edição de imagens: Andressa Back, Dryca Lima, Marina Mapurunga; Assistente de edição de imagens: Amanda Pontes; Edição de som: Marina Mapurunga; Motorista: Seu Carlos; Apoio: AnimulA Produções Audiovisuais, SESC – Teatro Emiliano Queiroz; Realização: Vila das Artes, Prefeitura de Fortaleza; Parceria: UFC-FCPC-Rede Olhar Brasil-CTAV-Ministério da Cultura; Apoio Cultural :Secretaria da Cultura do Governo do Estado do Ceará.

Fortaleza – Ceará – Brasil/ 2010

Vídeo-instalação exibida na Bienal Internacional de Dança do Ceará – De par em par, em 2012, link.