Filmes dirigidos

CE-085 BR-222 (2021)

Argumento, concepção e realização (improvisação audiovisual): Marina Mapurunga.

digital, 8 min. 52 seg. , 2021, CE-085, BR-222 – CE, Salvador-BA.

Parto, retorno, me desterritorializo, me reterritorializo. Ritornelos. Quando volto, nem sempre encontro as mesmas pessoas. A estrada é a mesma e outra.

Ressonâncias (2021)

Direção: coletiva – CMC e Sonora: músicas e feminismos
Performance, Montagem, Edição de Som e Mixagem: Marina Mapurunga

digital, 23 min., 2021, Salvador-BA, Goiânia-GO, São Paulo-SP, Berlim-ALE

A janela se abre. Um percurso sonoro entre águas, vibrações, ressonâncias.

 

Gabinete de Vozes – Arquivo da Palavra (2021)

Argumento, realização e concepção: Inés Terra e Marina Mapurunga.

digital, 5 min. 58 seg, 2021, São Paulo-SP, Salvador-BA.

A segunda edição da RESIDÊNCIA | Sampleologia apresenta “Gabinete de Vozes – Arquivo da Palavra”, vídeo idealizado a partir de pesquisas realizadas na coleção “Arquivo da Palavra”, que integra o acervo da Discoteca Oneyda Alvarenga. Junto ao NuSom (Núcleo de Pesquisas em Sonologia da USP), as artistas Inés Terra e Marina Mapurunga selecionaram algumas gravações do Arquivo e convidaram mulheres de diferentes territórios do Brasil para gravarem uma versão atualizada do texto padrão idealizado por Manuel Bandeira para o Arquivo da Palavra em 1937. O trabalho foi desenvolvido em um processo de sampleamento e colagem das vozes apresentadas naquela época e na atualidade.

 

(in)fleXos (2020)

Direção, roteiro, som, música, fotografia, montagem e performance: Flora Holderbaum, Marina Mapurunga, Nanati Francischini e Tânia Neiva.

digital, 29 min., 2020, Florianópolis-SC, Salvador-BA, São Paulo-SP, João Pessoa-PB

A partir do improviso improvável de quatro artistas de diferentes localidades – Florianópolis, João Pessoa, São Paulo e Salvador -, cria-se um quinto lugar de (in)flexão. Distopia em movimento aberto e lento, cruzamento de imagens e sonoridades que refletem a impossibilidade dos encontros, os obstáculos que atravessam o dia-a-dia comum. Imagens de um modus operandis do contexto pandêmico, sobreposto às singularidades que ocupam um espaço ordinário de invenção.

 

/* bicho d’água */ (2020)

Argumento, realização e concepção: Marina Mapurunga

digital, 9min 38seg, 2020, São Paulo-SP

Um bicho d’água percorre.

 

 

Viçosa, 19 de maio de 1987 (2013)

Argumento, realização e concepção: Marina Mapurunga

digital, 5 min. 29 seg., 2009-2013, Fortaleza, CE

Meu pai estava de mudança, quando me deu um caixote cheio de cartas, dizendo que parte de minha história estava ali. Sorteei uma carta. Li.

 

Mergere (2011)

Direção e roteiro: Marina Mapurunga e Raisa Christina
Projeto sonoro e vozes: Marina Mapurunga

digital, 2 min. e 39 seg., 2011, Fortaleza, CE

Ela mergulha.

 

 

SENSVS (2010)

Direção, argumento, montagem e edição de som: Marina Mapurunga

digital, 20 min., 2010, Fortaleza, CE

Sensvs (do latim: sensações) é um experimento sobre como o som pode influenciar e interferir nos atos, nas emoções e nas sensações de alguém. Não só o som, mas o ato de estar em um palco, sendo observado(a) pela equipe, pela câmera e pelo microfone.

 

Palavras Mortas? (2010)

Direção, roteiro e design de som: Marina Mapurunga.

digital, 22 min. 16 seg., 2010, Fortaleza, CE

Vagando entre as frias lápides de um cemitério encravado na grande cidade, uma solitária garota busca, entre sussurros e mensagens perdidas, sua própria história através de palavras que estão apenas no cimento da memória do local.

 

É hora do almoço! (2008)

Direção e argumento: Marina Mapurunga.

digital, 1 min., 2008, Fortaleza, CE

O Núcleo de Produção Digital (NPD) da Escola Pública de Audiovisual da Vila das Artes promoveu, em 2008, a convocatória ” Fortaleza 24H”. Para comemorar os 282 anos da cidade, 24 realizadores captam uma cena do cotidiano urbano em cada hora do dia. O curta-metragem “É Hora do Almoço”, de Marina Mapurunga, retrata a hora do meio-dia, foi um dos filmes selecionados na convocatória.